Anthropogener Einfluss: Der Mensch stört den "Salzkreislauf" auf globaler Ebene!

Neuen Forschungsergebnissen zufolge wird der natürliche "Salzkreislauf" weltweit durch den Menschen beeinträchtigt, was eine "existenzielle Bedrohung" darstellen könnte, wenn die derzeitigen Trends anhalten.

Bodenversalzung
Durch menschliche Aktivitäten werden die Luft, der Boden und das Süßwasser der Erde immer salziger. Kredit: ekina1/depositphotos.

Wir wissen, dass die Nachfrage nach Salz mit Kosten für die Umwelt und die menschliche Gesundheit verbunden ist. Die weltweite Produktion verschiedener Salzarten ist im letzten Jahrhundert rapide angestiegen. Pro Jahr werden etwa 300 Megatonnen Natriumchlorid (NaCl), bekannt als Speisesalz, hergestellt.

Laut einer Review-Studie, die kürzlich in der Zeitschrift Nature Reviews Earth & Environment veröffentlicht wurde, und die von Sujay Kaushal, Professor für Geologie an der University of Maryland in den Vereinigten Staaten, zeigt, dass menschliche Eingriffe die Luft, den Boden und das Süßwasser salziger machen, was das Leben auf dem Planeten in Zukunft bedrohen könnte.

Como as atividades humanas estão afetando o ciclo do sal?

Os pesquisadores analisaram informações da variedade de íons de sal encontrados no subsolo e em águas superficiais, e estimam que a salinização do solo (super acúmulo de sais minerais) causada pelo ser humano afetou cerca de 1 bilhão de hectares de solo em todo o mundo — uma área do tamanho dos Estados Unidos.

O “ciclo antropogênico do sal” é caracterizado pelo transporte acelerado de sais para a superfície terrestre através da mineração e extração de recursos, aumento dos fluxos de sal para a atmosfera a partir de poeira salina, e aumento da salinidade do solo e formação de evaporitos devido à dessecação.

Segundo o artigo, as atividades antropogênicas aceleraram os processos, as escalas de tempo e as magnitudes dos fluxos de sal e alteraram a sua direcionalidade, criando o que chamaram de “ciclo antropogênico do sal”. Essas atividades humanas incluem a mineração, o desenvolvimento de terras, a agricultura, tratamento de água e estradas, e outras tarefas industriais. Em situação extrema, isso pode até tornar a água potável insegura para o consumo humano e animal.

“Quando as pessoas pensam em sal, tendem a pensar em cloreto de sódio, mas nosso trabalho ao longo dos anos mostrou que perturbamos outros tipos de sais, incluindo aqueles relacionados ao calcário, gesso e sulfato de cálcio”, disse Kaushal.

“ciclo antropogênico” do sal
Representação do “ciclo antropogênico” do sal, que é caracterizado pelo transporte acelerado de sais para a superfície da Terra por meio de diferentes atividades humanas. Fonte: Kaushal et al., (2023).

A pesquisa indica ainda que a quantidade de íons de sal também aumentou em córregos e rios nos últimos 50 anos, coincidindo com um aumento na utilização e produção global de sais. E não é só isso. O ar também ficou mais salgado; em algumas regiões do planeta, os lagos estão secando e enviando plumas de poeira salina para a atmosfera.

Essa poeira salina pode acelerar o derretimento da neve e prejudicar comunidades locais – especialmente no oeste dos Estados Unidos – que dependem da neve para o abastecimento de água. Pela sua estrutura, os íons salinos podem se ligar a contaminantes em solos e sedimentos, formando “coquetéis químicos” que circulam no meio ambiente e têm efeitos prejudiciais.

Preocupações…

Assim como existem medidas para diminuir as emissões de dióxido de carbono (CO2) para a atmosfera a fim de mitigar os efeitos das mudanças climáticas, os autores pedem que sejam implantados limites em nosso planeta para o uso seguro e sustentável do sal.

Solos impactados pela salinização antropogênica (áreas sombreadas em vermelho) em 2016, altamente salinos. Fonte: Kaushal et al., (2023).

O excesso de sal faz com que a salinização da água doce se estenda para além das reservas de água doce e afete a produção de alimentos e energia, a qualidade do ar, a saúde humana e as infraestruturas.

"Este é um problema muito complexo porque o sal não é considerado um contaminante primário na água potável nos Estados Unidos, então regulá-lo seria uma grande empreitada. Mas eu realmente considero que é uma substância que está aumentando no ambiente para níveis prejudiciais", disse Kaushal.

Top Videos